quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Vamos marcar um dia?

Pra ler ouvindo. Banda do mar - Vamo embora. Se você não gostar, eu saio. Se gostar, eu fico. Se eu ficar, eu moro. Se eu morar, unidos. Se eu não gostar, eu saio. Se eu sair, te levo. Se eu te levar, pra sempre. Se pra sempre, sorrio. Vamos marcar um dia pra eu te contar como eu vejo o mundo? Sou especialista em achar as coisas, pois de base tenho algumas experiências e alguns filmes. Mas vai que você pega gosto pelo jeito que eu vejo? E de carona pega gosto pelo jeito que te pego. Vai que. Também quero saber como você vê as coisas. Estou empolgado em imprimir suas palavras pra levar no bolso e me lembrar que o meu não é o único jeito de ver a vida. Se der certo, eu vibro. Se não der certo, eu guardo. Se eu guardar, pra sempre. Se pra sempre, unimos. Vamos marcar um dia pra me contar de você? Quando souber, me fala o dia, aí eu já reservo minutos da minha vida pra dar atenção à sua. Quem sabe se fará um ensaio do que lá na frente vamos rir e suspirar sobre a presença um do outro, ainda que em pensamento, em pelo menos 1 minuto das 24 horas do nossos dias. Quero te ouvir. Aí você vai poder falar sobre qualquer coisa. Me interessa saber o que você chama de coisa. Tipo, eu chamo de coisa o dia que o céu tá cheio de nuvem. Não é uma coisa linda? Mas uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa; minha coisa é minha coisa, sua coisa é outra coisa. Vamos marcar um dia pra gente visitar o futuro? Acho que ele ia gostar da nossa visita. Até porque ele mora tão perto; o futuro mora logo ali no próximo segundo. Proponho um plano pra esse momento: você chega contando um motivo pelo qual a gente coloca sorriso no rosto um do outro e eu chego com taças e alguma bebida pra celebrar o segundo. Pode ser? Tem que ser coisa rápida, pois um minuto vivendo no futuro é um minuto esquecendo do presente. Vamos marcar um dia pra gente não marcar nada? E se esse dia for agora? Acho que vou te ligar pra dizer como você me faz bem. As pessoas precisam saber o bem que fazem umas as outras. Eu gosto de contar quando alguém me faz um bem. Tem gente que diz que me apresso demais assim, mas tem hora certa pra gente receber notícia boa? Eu conto pra compartilhar, não pra contratar. Não é algo que assegure a presença desse alguém na minha vida: “Oh, agora que sabe o quanto me faz bem, trate de nunca mais sair dos meus dias!”, bobagem. Trata-se de uma maneira de reconhecer e inspirar quem já faz bem a fazer ainda mais. Se melhorar, melhora. Vamos marcar um dia pra eu entrar na sua vida? Prometo não reparar na bagunça. Eu não sou diarista, mas posso te ajudar a limpar alguns dias. Não dá pra garantir que eu consiga isso, porém, não vai ser por falta de tentativa. E aí a gente pode marcar sorrisos na vida um do outro. A gente pode marcar boas lembranças. Melhor marcação. A gente pode marcar também mais chocolates na lista de compras. Eu ia ficar feliz em te ver feliz por um momento que te marquei. Então vamos marcar um dia pra eu entrar na sua vida? Se você não gostar ou não for do jeito que gostaria, eu saio. Se eu não gostar ou não for do jeito que eu eu gostaria, eu saio. Mas antes de eu sair a gente poderia marcar um dia pra eu entrar na sua vida.

Vocês estão estragando tudo!

Leia Ouvindo: Stebam - Pra ser É difícil ter que continuar nadando nesse mar de gente sem coração. É por isso que cada vez mais a gente vê tantas pessoas desacreditando sobre os mais bonitos sentimentos dessa vida. Talvez seja por isso também que os refrões de mais sucesso são os de dor. Vocês estão estragando tudo! Esse negócio de entrar na vida de uma pessoa, ajudando a fazer com que 1 minuto se transforme em uma vida inteira, e depois sair dessa mesma vida sem mais nem menos, não é algo que se recomende pra ninguém. Parece que ninguém mais se importa com ninguém. As pessoas estão deixando de ser pessoas para se tornarem copos plásticos, daqueles que você usa e depois joga fora sem pensar duas vezes. A metáfora pode ser pobre mas nem por isso menos certeira. Dizer que gosta de alguém se tornou motivo pra se afastar e não pra se aproximar; parece ser a pior coisa a se ouvir, parece que cria-se então um escudo ou algo do tipo “não me venha com essa história”. Aí vem gente que diz “calma, já sofri demais e não quero passar por isso de novo” e essa reação soa como uma vingança em outra pessoa que nem tem culpa de nada, e que até que prove o contrário, é só mais uma pessoa tentando ser feliz com alguém. Confessar felicidade pela volta dos sorrisos, todos dedicados à alguém especial, também não é algo para se comemorar, é algo para prejudicar, para colocar por terra todos os planos. O que vocês querem da vida então? Não dá pra perceber na segunda palavra que a pessoa está abrindo a vida pra você entrar? Não tem como dizer pro coração: “goste um pouco mais devagar”. Quem consegue esconder que está gostando? Por quê então fazem tão pouco com o muito que tanto fazem por vocês? Vocês estão estragando tudo! É mais fácil conhecer uma pessoa que tem uma história triste pra contar do que uma feliz pra inspirar. E isso é culpa de vocês! Isso é culpa de vocês que não sabem o que querem, que trocam de opinião como trocam de roupa, que passam de um amor pro outro com se fosse uma baldeação no metrô. A vida não é só de vocês que agem dessa maneira, não mesmo! Um beijo é feito por duas bocas, que fazem parte de duas pessoas, onde cada uma tem um coração e uma reação diferente, onde cada uma aproveita de um jeito diferente. Isso significa que tudo o que você fizer que tenha relação com outra pessoa terá efeito nessa outra pessoa. A língua portuguesa resume isso em uma palavra: respeito. O olho no olho depois de um beijo é o passaporte para fazer as malas e se mudar para dentro da vida da pessoa. Mas por quê vocês estão estragando tudo, então? Por quê vocês inventam tantas histórias como se lidassem com crianças recém nascidas? “Ah, porque eu não quero te ver mal”. Que saco, quanto mais você faz algo que não é sua vontade para não ver a pessoa mal, mais mal você está fazendo à ela. Se a sua vontade é ir embora e nunca mais telefonar, que seja dito isso e não algo do tipo: “Acho que você gosta mais de mim do que eu de você!”. Esta é uma das piores coisas a se ouvir! Não se vive uma história pela competição, se vive pelo coração. É este coração que diz o quanto está gostando, o quanto está fazendo bem; ele que diz o tamanho da vontade de planejar coisas e incluir alguém nesses planos. Não existe essa merda de história de alguém gostar mais que outro alguém, as pessoas gostam diferente, de jeitos diferentes, umas demonstram mais e outras menos. O que existe é o fim das coisas. Por mais cruel que seja. Existe o fim da vontade de continuar, de ligar, de perguntar se está tudo bem, de dizer que chegou em casa, de dizer pra onde está indo. Existe o fim, é isso, existe o fim, não existem desculpas, existe o fim das coisas. “Ah você é uma pessoa perfeita, o problema sou eu e não você!” Mas é claro que o problema está em vocês que dizem uma coisa dessas! Ninguém é obrigado a gostar de ninguém e nem existe um contrato com data de validade das histórias, mas existem as pessoas reais que mergulham e vivem cada segundo construindo momentos incríveis, momentos dos dois, momentos da história dos dois. Também não existe ninguém perfeito. Nem dá pra falar que existe quem erra menos, porque voltamos na questão da competição. Mas existem erros e acertos, didaticamente dessa maneira. Custa falar que cansou e que não quer mais? Custa ser real pelo menos na hora do tchau? O que não dá pra entender é como vocês inventam coisas pra justificar a real vontade de vocês! A vontade de não machucar só machuca mais. A mentira pra esconder só traumatiza mais. A preocupação em manter uma amizade só diminui as chances disso se tornar verdade. Vocês estão estragando tudo! Vocês e essas desculpas e esse jeito de lidar com as pessoas; jeito de lidar com o que as pessoas sentem. “Ah, mas você é sentimental demais, por isso fica mal assim!” É ISSO! Vocês precisam aprender que as pessoas não são iguais à vocês. Existem as que vão sofrer e vão chorar sangue com o fim de uma história, assim como existem as que vão sair pela porta sem olhar pra trás. O que não deve existir é essa falta de respeito de vocês para com todas as outras pessoas do mundo. Valorize quem quis te dar um beijo, poderia ser qualquer outra pessoa, mas você foi a escolhida. Valorize quem te pede pra avisar se chegou bem em casa, poderia ser uma preocupação para qualquer outra pessoa, mas é por você. Valorize quem transa com você e te entrega o corpo, poderia ser pra qualquer outra pessoa, mas é com você. Valorize quem te pede desculpas, poderia ser qualquer mentira, mas é uma desculpa pra você. Que saco, valorize quem diz que gosta de você, poderia gostar de qualquer outra pessoa, mas gosta de você. É tudo uma questão de valorizar o que realmente importa nessa vida: o coração das pequenas coisas; a origem. Ao invés de ver possessividade no pedido de “me avisa quando chegar”, veja como alguém que se preocupa. Ao invés de ver como quem reclama demais as conversas tipo “você parece distante, não me manda mais mensagem” veja como alguém que está tentando melhorar a vida dos dois. Vocês, vendo com esses olhos egoístas, só estão estão estragando tudo! Quem somos é tudo o que temos nesse mundo. E por isso, somos responsáveis em fazer desse mundo algo melhor na medida do possível. Existe amor dentro das pessoas, sabiam? Que vocês um dia percebam isso e parem de olhar só para os próprios umbigos e percebam que estão estragando tudo, antes que seja tarde demais. Vocês estão matando o que de melhor nós temos: nosso coração.